22 de nov de 2013

Drummer Girl - capítulo 09

É incrível a minha sorte.
 Eu nem queria jogar esse maldito jogo, mas quando decido jogar sou a primeira que a garrafa aponta. E ainda pego uma garota traiçoeira, que conseguiu me fazer uma pergunta, me desafiar e ainda me mandar fazer o negócio idiota dos 7 minutos não sei aonde que nem era o jogo que nós estávamos jogando.
Tudo de uma vez só.
Olhei para Justin, que já estava me observando. Tentei falar desculpa, mas eu estava paralisada. Ele ora me encarava, ora encarava a loura biscate.
Essa não é a maneira certa de se conhecer uma pessoa, sabe como é, em um armário escuro em que todos pensam que está rolando beijos e agarração.
As coisas não são assim. Ou pelo menos não deveriam ser.
- Então, aceita Justin? – perguntou, colocado fim aos meus pensamentos.
Justin sorriu ironicamente – um sorriso até então desconhecido por mim – e meneou a cabeça em “nãos” seguidos.
Se doeu? Lógico que não, eu nem o conheço.
Mas foi meio constrangedor, vamos combinar.
E então todo mundo começou a entoar:
- AMARELÔ-OU! AMARELÔ-OU! AMARELÔ-OU!
E então eu vi seus olhos faiscarem. Ele levantou determinadamente, passou a mão na calça e disse que ia.
Eu não sei bem o que aconteceu depois. Só sabia que eu fui parar no armário com cheiro de mofo.
E que esse jogo, deveria se chamar 7 minutos no inferno.
Eu, de certo modo, sabia que ele não ia ficar me agarrando no armário, desde que eu entrei para a banda não trocamos nem meia dúzia de palavras e ele não parece ser esse tipo de garoto. Tenho certeza de que Pattie deu educação para ele.
- Desculpa por isso, é tão ridículo... – disse baixo, coçando o nariz.
- Não foi sua culpa. – ele me interrompeu, de um modo grosseiro.
E então eu fiquei quieta. Quero dizer, não inteiramente quieta porque eu coçava o nariz e isso fazia um certo barulho. Mas sabia que o clima não admitia conversas.
A porta foi aberta depois do que pareceram horas. Eu de um lado e Justin do outro. Estávamos tão encolhidos que entre nós cabiam umas três pessoas, no mínimo.
O povo começou a vaiar e Justin me puxou pela mão. Nos esquivamos de todos até chegarmos, de alguma forma, na porta da casa da garota. Chaz e Ryan chegaram e em seguida nós corremos até o outro lado da rua. Assim, sem nos despedirmos de ninguém. Não que eu queira ver a cara desse povo novamente, mas mesmo assim, foi tenso. A chuva estava forte e eu agradeci mentalmente por Chaz me oferecer uma blusa.
- Vamos Summer. – Chaz disse, sem eu nem mesmo ter entrado na casa dos Bieber (ele entrou para pegar a blusa). Ainda bem porque a aquela altura eu deveria parecer com um cachorro molhado.
Eu acenei para Justin e para Ryan e entrei no fusquinha.
- Você está com frio? – perguntou ele ao entrar no carro.
- Não. Obrigada pela blusa mais uma vez. – sorri.
- Que nada. Na verdade ela nem é minha.
- É de quem? – perguntei curiosa.
-Do Justin. Mas ele não liga.
- Ah... – falei um pouco constrangida. Sabe é do Justin, eu nem o conheço, mas eu ia lembrar de agradecê-lo depois. E também de ter entrado no armário comigo, porque né – Quando a gente vai se ver de novo?
- Amanhã na aula? – Chaz riu pelo nariz.
- A banda, cabeça de bagre.
- A gente ensaia terça e sexta, para falar a verdade. Então amanhã. – ele sorriu sem tirar os olhos da pista.
- Ah. Tudo bem. – dei de ombros. QUE MANEIRO! Quem ainda usa “maneiro”? Tanto faz. QUE MANEEEEEEEEEEIRO!
Chaz ficou me olhando meio assustado, com o carro já parado. Acho que falei isso em voz alta.
- Chegamos. – disse o óbvio e abri a porta. Chaz me deu um beijo na bochecha, e eu desci. Agradeci mentalmente por ele não tirar sarro da minha cara, aí ele perguntou:
- Nos vemos amanhã?
- Ahan. – fiz sinal de positivo com a minha mão.
- QUE MANEEEEEEEEEIRO! – riu e arrancou com o carro.
Retiro meus agradecimentos.
(...)
- Vamos Summer. - Chaz revirou os olhos.
- Pera Chaz. – gritei do outro lado do corredor. Se tem uma coisa que eu amo nessa escola é que há máquinas daquelas que você coloca dinheiro e ela te dá uma coisa bem gordurosa em troca. Hum!
- Ok, Summer, o que você está fazendo? – ele perguntou indo até mim para checar. Eu falei que ia ao armário e parei lá. Eu ia direto para a casa dos Bieber. E nós estávamos atrasados, por conta da vadia da professora de Ciências. Ela SEMPRE usa uns minutos a mais da aula de outro professor, ou do intervalo ou da hora da saída porque não dá tempo de explicar a matéria. Mas aqui um recadinho para ela: SE ELA LEVANTAR A BUNDA GORDA DELA DA CADEIRA E PARAR DE MEXER NO MSN ENQUANTO FAZEMOS AS ATIVIDADES BABACAS, DÁ TEMPO!
Ela nunca vai saber disso, a não ser que ela leia mentes. VIXI.
Será que é por isso que ela não gosta de mim?
Estava tão distraída que não vi que a máquina não deu meu Doritos.
- Summer a gente vai almoçar. – Corei. Eu sabia, mas ainda assim era falta de educação. Sei lá. Desde que eu era pequena minha mãe dizia que eu não devia chegar na hora do almoço na casa das pessoas. Mas dessa vez não tem escapatória.
- Ah é. Esqueci. – QUEM ESQUECE DE COMIDA?!
- Então vamos. – ele disse.
- Mas a máquina não deu meu Doritos. – cruzei os braços. Eu devia estar parecendo aqueles meninas mimadas, mas acredite, não sou. Mas sei que dinheiro não nasce em árvore, e se nascesse também ninguém teria por causa dos desmatamentos e tals. E ERA A MINHA MESADA, PÔ!
Aí eu comecei a dar uns tapas nas laterais da máquina, apertar o botão umas cem vezes e depois que fui perdendo a paciência, comecei a chutar a máquina e xingá-la em espanhol. É, pelo menos assim ninguém me entendia.
Aí Chaz me puxou pela mão e eu fiquei brava. Não com ele, mas com a máquina.
Entramos no carro, e depois eu liguei o som.
- Summer depois eu te dou outro Doritos. – sorri e deixei absorver a música que tocava. Aí depois eu parei, porque eu não ia absorver porcaria não!
Chegamos depois de uns minutos. Chaz abriu a porta com sua própria chave e entramos na mansão dos Bieber.
- Summer você se importa de eu trocar a camiseta? Essa é quente demais.
- Me importo. – disse séria.
- Então você vai continuar se importando, porque eu vou trocar. Adiós.
Fiquei parada sem saber o que fazer. Vi que a casa era grande (tudo bem, eu vejo isso toda vez que venho aqui) e vi que Pattie era apaixonada por fotografias. Estavam espalhadas por todos os lugares. E eu também gosto de fotografias. Sei lá, não são apenas um pedaço de papel com uma imagem impressa, mas sim uma história revelada.
 Vi algumas, outras eu fiquei com vontade de morder (a pessoa, não a foto), vi Justin quase careca, vi loiro, bebê, magrelo e sempre sorrindo. Era bonito seu sorriso.
Dei um pulo alto quando vi a porta se abrir. Pattie estava com compras na mão, tampando seu rosto, em sacolas de papel.
- Uma ajudinha! – ela disse meio esbaforida.
Corri até ela e peguei umas duas sacolas.
- Summer! – ela exclamou. – Está tudo bem querida?
- Está sim, Pattie. – sorri – E com a senhora?
- A senhora eu não sei, mas eu estou bem. Cadê o Chaz?
- Trocando de camiseta, eu acho.
- Ok. – ela disse – Quer me ajudar com o almoço de novo? – ela quis dizer atrapalhar, mas aceitei do mesmo jeito.
- O que vamos comer hoje? – perguntei.
- O que você quer comer, querida? – ela sorriu para mim, se antando na mesa da cozinha. Na cadeira, quero dizer.
DORITOS!
- Não sei. Qualquer coisa está bom. – disse.
- Ok. Couve, espinafre, beterraba e jiló. Que tal? – rimos.
- Lasanha seria uma boa.
Ela remexeu no congelador e tirou um bloco de gelo de lá. Mas era quase tão grande como ice Berg que o Titanic bateu.
- Pronto. A gente assa e depois coloca em uma forma. Aí a gente fala que nós fizemos. – ela disse simples e eu olhei para ela meio embasbacada e depois rimos.
- Senta aqui. – ela indicou a cadeira em sua frente e eu me sentei.
- Quer aprender a cozinhar, Summer? – perguntou – De verdade, quero dizer. – sorri e fiz que sim com a cabeça. EU NÃO NASCI PARA COZINHAR, E AGORA?! Pelo lado bom eu teria mais tempo com a Pattie e isso seria bom, porque gosto de sua companhia.
- Ótimo. – ela disse – Cozinhar é mais legal quando se tem companhia. Mas então, onde você estuda?
- Estudo no colégio perto do Starbucks. Você conhece, o único da cidade. – eu disse e ela assentiu.
- Justin também estudava lá. Ótima escola, aliás. Mas depois de uns problemas ele decidiu mudar para uma particular.

- Sim, entendo. – menti. Não entendo. Se eu nadasse na grana como eles, talvez eu entendesse. 



----- 
Oi, girls! Obrigada por fazerem meu dia melhor. Desculpa meu drama, aliás... Hehe ;) Ta aí, olha, quando eu não postar cap. aqui, eu postarei Camp Idol no meu blog ( http://olhos-cor-de-mel.blogspot.com.br/ ) , então fiquem de olho! Aliás, ainda hoje postarei lá, ok? Quero começar outra fic e atualizar mais lá meu blog. Tenho uma que quase já terminei, querem que eu poste? Ou nem? Deixem nos comentários, beijos! 

14 comentários:

  1. Continua e eu amo camp idol

    ResponderExcluir
  2. Eu vou deixar os comentários do camp idol e do drummer girl aqui pq na camp eu nao consigo comentar blz?

    ResponderExcluir
  3. EU AMOOOOO ESSA FIC MDS hausbaua a se eu tivesse 7 min. no paraiso com o Biebs o armário ia pegar fogo haushauajsabajaba continua lindona ta super perfeita *-*

    ResponderExcluir
  4. AAAAAAAAAH EU ACHEI QUE IA ROLAR ALGUMA COISA!! POXINHAAA!! CONTINUA PELO BIEBER AMADO!

    ResponderExcluir
  5. continuaaaaa seu IB é bom demais !!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  6. por favor continuaaaaaaa comecei a ler seu IB ontem gostei muito

    ResponderExcluir
  7. Hey apple que legaal..mas o Jusrin e bem quieto nao? Por que ?

    ResponderExcluir
  8. Eu amo essa ib, e a personagem ainda é meio maluquinha hahahha. Continua

    ResponderExcluir