8 de fev de 2014

Drummer Girl - capítulo 19

Então já era. Eu já tinha dito e não havia como voltar atrás. Adiar coisas como a verdade, traz mentiras à vida. E era uma verdade que não pertencia apenas a mim mesma. Ele tinha o direito de saber. Às vezes me pergunto o que acontece com as verdades que me pertencem, já que eu mesma não sei delas.
Sentia o olhar dele sobre mim, mas não o olhei de volta.
- Esse seu caderno – iniciei – ele veio comigo quando Pattie me mandou a caixa com as minhas coisas. Eu li.
Esperei pacientemente ele falar alguma coisa, mas ele não disse. Pode ser que ele não tenha demorado tanto assim, tenho a impressão de que a ansiedade acelera o tempo. Então, depois de um tempo, ele começou a dizer:
- Costumava compor músicas quando ela ainda era viva. – respirou fundo e eu o olhei de soslaio, sua cabeça estava baixa, então voltei minha atenção ao carpete meio vermelho da sala – E é isso.
- Você não compõe mais? – perguntei.
- Não. Não fazia ideia de onde estava isso.
- Sinto muito.
- Por quê?
- Porque suas músicas, elas eram realmente muito boas. Digo, eu gostei. Eu sou uma merda tocando violão, mas por um tempo aprendi a teoria. Consegui ouvir na minha mente as melodias. Eu fui tipo Bethoven quando ele ficou surdo.
- Obrigado. – disse por fim.
Mas claro que eu não queria encerrar o assunto por ali.
- Por que você não as toca? – senti a minha barriga esfriar.
- Nem mesmo Chaz sabe da existência delas. – olhei para ele, Justin estava me fitando com seus olhos cor de mel – Não quero que ele saiba.
- Tudo bem. – concordei-não-concordando. Era uma coisa dele e eu não tinha o direito de interferir naquilo.
Justin então começou a dedilhar uma música que eu reconheci ser do Metallica. Peguei minhas baquetas dentro da minha mochila – não andava sem elas – e me posicionei na bateria. Sem Zack – o que, falando sério, era muito bom para ser verdade.
Não falávamos nada, apenas tocávamos. Era silencioso, mas sentia que devia ser desse jeito. Música se sente e sentimentos não são estrondosos. Percebi que nunca havia me sentido tão próxima de Justin quanto naquele momento. Pode parecer presunçoso, mas parecia que tínhamos uma conexão. Estava feliz por aquilo.
--
Depois de tocar, senti a fome me atingir como um trem.
- Estou com fome. – falei no ritmo de Yellow, do Coldplay. E não existia música mais melancólica do que essa para traduzir minha fome.
- Vamos comer então. – Justin cantou o refrão e parou de tocar aos poucos. Arrumamos a sala, colocando os instrumentos em ordem.
- Acha que Eleanor vai perceber? – indaguei observando a sala perto da porta.
- Tomara que não. – ele deu de ombros. – Nesta noite somos como fantasmas. Ninguém pode provar nossa existência, mas estamos aqui.
- Que horror. – sussurrei, sentindo um arrepio na espinha. Eu não gostava dessas coisas de sobrenatural. Só não funcionava para mim.
- Summer, estou só brincando. Isso não existe. - ele sorriu. Vi sua expressão se endurecer por um momento. A convicção com que ele falou isso era semelhante a do professor de Matemática dizendo que 2+2=4.
- Que seja. – mentira, que não seja – Ainda estou com fome.
Ele sorriu.
- Podemos ir para o refeitório.
Então fomos. Estava quase que completamente de noite, e logo os corredores iriam precisar das luzes acessas. Será que seria possível alguém do lado de fora da escola perceber isso? Que havia gente dentro do prédio?
Evitei pensar sobre isso. Porque eu não queria ficar no escuro.
Chegamos ao refeitório vazio, repleto de mesas e cadeiras e com o lugar onde davam o lanche. Era estranho não ter muita gente, porque só conhecia o lugar assim. Havia aspectos que eu nunca havia reparado, tenho certeza, mas meu cérebro de gordo só conseguia pensar em: COMIDAAAAAA!
O que claro, foi desfeito no instante seguinte ao perceber que ela não estava como costumava ser, exposta. Fomos até a cozinha, que continha grandes fogões industriais e prateleiras de metal. A cozinha era enorme. Começamos a procurar por comida e não tinha comida pronta. Todos os sacos de pães estavam fechados e em grande quantidade. Não queria abrir só para eu comer.
- Sabe cozinhar? – Justin perguntou.
Lembrei-me de Pattie automaticamente. Ela tentava me ensinar, mas eu não sabia fazer nada relativamente significativo. Ou mexer em fogão industrial. Deus, eu poderia colocar fogo naquela escola. O que, em outras circunstâncias, não seria tão mau, mas quando se está presa nela... As coisas mudam de figura.
- Não. – respondi.
- Também não. – Justin respondeu – Acho que tem umas máquinas de comida perto daqui.
- Não tenho dinheiro. – respondi automaticamente.
- Eu pago para você. – Justin deu de ombros.
- Valeu. – respondi de forma casual. Mas eu sabia que me comprar comida... Era a melhor coisa que poderiam fazer para mim.
Quando estávamos saindo da sala, vi um quadro que dizia a refeição do outro dia. Cutuquei Justin.
Vi um sorriso maléfico se espalhar pelo seu rosto. O quadro era branco e havia canetas piloto para se escrever. Justin apagou com a mão e escreveu numa caligrafia horrorosa “batata frita”. O que eu apaguei novamente. Ele me olhou de certa forma indignado e eu quase podia apostar que ele ia me chamar de certinha, até que reescrevi o que tinha apagado.
- Sua letra é horrorosa. – dei de ombros, me voltando para ele, que sorriu de certa forma – Mulheres geralmente não têm letra feia.
- A sua não é tudo isso. – ri. – Mas dá para o gasto. – ele complementou.
Admiramos nossa obra, que seria nossa refeição de amanhã, então eu coloquei abaixo: sashimi. Ele me olhou com dúvida, ao que respondi:
- O garoto japonês vai gostar. – demos risada.
- Sabe o que não faz sentido? – neguei com a cabeça – Eles serem magros. Eles têm tanta pressa que nem cozinham o peixe antes.
Ri, meneando a cabeça. Depois chegamos ao ponto onde tinha uma máquina de refrigerante e outra de salgadinho. Justin pegou duas latas de cola cola e alguns salgadinhos. Havia Doritos e Ruffles.

Sentamos no chão e posso afirmar com certeza que aquela foi uma das melhores refeições que já fiz na vida. 
----
Oi meninas! Tudo bem com vocês?
Antes de tudo, não me matem. Eu sei que dá raiva quando não postam fics com regularidade, mas tenho motivos. Por exemplo, mudei de escola essa semana e ainda estou em fase de adaptação. E olha, tenho que estudar todo dia. Sei que parece mentira, porque ninguém estuda 24 horas, mas meu tempo ficou mais curto - ainda tenho que voltar de ônibus, que leva mais ou menos uma hora. Vou organizar meu tempo para postar mais - só tenham paciência.
- 11 comentários? 

Respondendo aos comentários: 
Carla: Seria muita maldade com a Summer! KKKKK Leio algumas fics que a menina só sofre... Dá muita dó. Beijos!
Anônimo: Mil desculpas! Eu realmente queria ter postado antes, mas não deu :( Obrigada por comentar e por favor não abandone a fic. As coisas vão se ajustar... Você acha isso? Poxa, muito obrigada! Beijos! 
Janii: Oi! Tudo bem, nem sempre tem como a gente comentar. Entendo! Admito que senti sua falta, hehe. Mas obrigada por comentar agora, isso é muito importante. Obrigada! Beijos!
Feer: :D 
Lu: IEBA, já sou de casa! Sinta o mesmo, inclusive para criticar Drummer Girl. Ih, já voltei, não precisa me buscar pela orelha! (aliás, porque isso dói demais e é bem traumatizante KKKKKKK). Lu, você tem facebook? Quero te adicionar lá! Muito obrigada você, por tudo. Ah, moro em Taubaté-SP. É a cidade da Hebe e onde Monteiro Lobato nasceu... Da onde você é? Beijos! 
SwagDaBelieber: Ai, como você é linda! Jura? Muito obrigada, isso me deixou muito feliz! Gosto de responder, e não gosto de deixar vocês falando sozinha! Eu que agradeço por vocês comentarem! Lógico que vou te seguir de volta! Deixa o seu nos comentários, que eu te sigo e já sei de cara que é você. Não sei se deu para entender, espero que sim... Beijos! 
Anônimo: :D
Anônimo: ;D
Gaby: Oi! Espero não ter te decepcionado... Beijos e muito obrigada por comentar Gaby! 
BelieberSwag: :D Obrigada por comentar sempre! Beijos!
Duda: Oi! KKKKKKK Amo seus comentários, Duda! Não posso dar spoiler, mas... Espero não ter te decepcionado hehe. Beijo! 
Sheila: Oi Sheila! Tudo bem? Obrigada por comentar! Beijos!

Beijos, 
Audrey. 

12 comentários:

  1. Cada vez mais perfeito *--*
    Continuaaaaa

    ResponderExcluir
  2. Vc é uma escritora bem atenciosa com suas leitoras!! Estou Feliz q tenha voltado, ja estava com saudades da fic. *-*

    ResponderExcluir
  3. Ai senhor sinto, que as coisas vão melhorar entre a Sun e o Justin *u* -Eu amo o fatode você não deixá a gente falando sozinhas isso é muito bom cara, estimula a gente a comentar mais e mais! Meu tt/fc é @fuckrskidrauhl - Continua logo bby, necessito de mais <3 (E linda é você *-*)

    ResponderExcluir
  4. Vc consegue cada dia me deixar mais ansiosa pra ver o próximo cap !! Continuaa /gabyv

    ResponderExcluir
  5. AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAH ELE NÃO BATEU NELA E NEM ESFOLOU ELA VIVA E NEM MATOU ELA POR TA COM O CADERNO QUER MARAVILHAAAA!!! AGORA, EU QUERO SABER O QUE ELE TANTO FALA NESSAS MUSICAS POXAAA!! AAAAH E OUTRA COISA JA QUE ESSES SAPECAS NAO SAO TAO SAPECAS PRA SAPECAR ELES PODIA SE BEIJAR SOU UM POUQUINHO NÉ?? AAAAAI DEUUUS ELES TÃO BEM NA ESCOLA :))) ENFIMMMM CONTINUA PELO BIEBER AM,ADO!

    ResponderExcluir
  6. Awnn obrigada. Criticar?? Como??!! ta muito bom!!!Estou amando, cada cap. Nossa moramos longe : ( Eu moro em Governador Valadares MG. E claro que te aceito no face. Tem como você me procurar?? Eh so pesquisar Luciana Paula, aí se você. nao conseguir manda o seu que depois mando convite. Bater altos papos... amooo demais rsrs. bjus E continua logo ta bjus

    ResponderExcluir
  7. Continua pfpfpfpf!!!!! Amo/sou essa fic

    ResponderExcluir
  8. CONTINUAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

    ResponderExcluir
  9. oi =0 de nada rsrsr continua pq pq fic está ótima =D

    ResponderExcluir