16 de dez de 2014

Rude -4

Era tão cedo, mas parecia que eram mais de 10 horas da manhã. Eu tinha uma garrafa de vodka na mão, e cantava uma musica desconhecida. Meus saltos estavam na outra mão, e eu estava na escada de casa.
Me virei pra escada, e Justin me olhava assustado, claro, uma bêbada na escada dele, como não se assustar?
Nao conseguia me levantar, minhas pernas estavam bambas, e eu cai logo que tentei me levantar, rindo em seguida. Vi Justin descer as escadas correndo, e me segurar pela cintura para me levantar, mas eu não queria levantar.
"Vamos Nathalie, você não deveria beber, que merda." Seus olhos estavam cansados, e eu me perdi enquanto os olhava. "Nathalie, que merda, nunca mais eu deixo você beber guria." Ele resmungava me levando até o quarto.
"Jus..." Sussurrei e ele me olhou. Eu sorri abobada, e o dei um beijo na bochecha. " Me desculpe por tudo." Ele riu,e balançou a cabeça, espantando alguma memória.

Justin narrando

Ela abriu a porta e eu vi uma garrafa de vodka em sua mão, seus belos saltos na outra, e seu rosto trazia um sorriso falso. Ela se sentou na escada, e me olhou, rindo em seguida. 
Eu com certeza parecia assustado, mas mesmo assim fui até ela tentando a levantar, mas ela não ficava de pé.
"Vamos Nathalie, você não deveria beber, que merda." Ela me encarou, mas eu continuei subindo as escadas. Nath tinha um cheiro forte de vodka, e isso irritava meu nariz. "Nathalie, que merda, nunca mais eu deixo você beber guria."  Abri a porta do meu quarto, quando a ouvi me chamar. " Jus..." Olhei-a, e sorri de lado. Nathalie sorriu besta e me deu um beijo na bochecha. " Me desculpe por tudo." Eu ri. 

Ela sempre foi assim, sempre bebia demais, e eu sempre cuidava dela quando aparecia em casa bebada, assim como hoje. Uma vez ela apenas apagou no quintal da minha casa, e eu desesperado fui a pegar pra tomar um banho, e uma xícara de café. 

Balancei a cabeça espantando essa lembrança e a coloquei na minha cama. Ela abraçou meu travesseiro e dormiu serenamente. Eu apenas queria que ela soubesse que eu a amo...

Um comentário: