21 de dez de 2013

Sete Dias

Terceiro Dia 
- Bieber, não viaja. – revirei os olhos e torci para que ele não pudesse ler minhas emoções como eu li as dele outro dia. Se é que eu as li.
 - Ah. – ele disse. Sem acreditar em mim, claro. – E então – ele disse desconfortavelmente – por que tem um celular aqui com uma foto de um cara com uma loira?
 Com uma loira?
 - Não me diga que esse é o Max. – ele disse com repugnância. Eu continuei encarando-o, a raiva atravessando meu rosto – Ele tem idade para ser seu avô!
 Cerrei os punhos e respirei fundo.
 - Se ele é um avô, você é um prematuro! Ou imaturo seria melhor? – falei ironicamente.
 - Ele está aqui não está? – ele perguntou com raiva.
 - Não! – disse rápido. Rápido demais.
 Bieber me analisou por um segundo e subiu os degraus correndo. Subi os degraus atrás dele depois. Eu posso ser baixinha, posso ser preguiçosa e ter duas mãos esquerdas, mas eu sou rápida. Acho que fugir das chineladas da minha mãe ajudou bastante nesse quesito.
 Esbarrei no Bieber e consegui me colocar entre ele e a porta.
 - Não. – eu disse ofegante.
 - Beatrice – ele quase suplicou – vamos, por favor. Não caia no jogo dele. Você é mais esperta do que isso.
 Balancei minha cabeça em “não” inúmeras vezes e ele pegou o celular dele do bolso. Não pude deixar de notar a proteção de tela. Ele beijando a bochecha de uma mulher mais velha. Pelo jeito não sou só eu que gosto de pessoas mais velhas.
 Vendo ele discar o número quase que em câmera lenta, saí da porta, mas não sem antes revirar os olhos.
 Ele entrou e eu parei na porta mesmo, cruzando os dedos para que Max já houvesse partido, enquanto Justin falava “Eu sei que você está aí, apareça”. Lerdo. Quero dizer, como nos filmes de terror o protagonista pergunta ao assassino onde ele está, é patético. Como se o assassino fosse responder. Max também não ia. Não que ele seja um assassino, mas ele é esperto.
 Justin abriu meu closet, olhou meu quarto de cabo a rabo e não o encontrou. Ele também teve tempo de olhar os banheiros e toda a casa. Quando eu pensei que ele ia engolir a minha história – tudo bem, talvez eu não tivesse pensado isso, mas tem sempre uma pequena parte de nós que nunca desiste, ela se chama esperança. Costumam dizer que ela é a última que morre. – ouvimos um barulho. Quase que instantaneamente, corremos para a janela do meu quarto.
 Vimos uma silhueta desaparecer no meio do branco da neve. Uma silhueta muito estilosa, por sinal. Uma silhueta que eu conheço em mínimos detalhes...
 Ele olhou para mim e me entregou o celular de Max. Era ele na foto e dava para ver que era ele correndo. Ele deve ter escapado por uma das janelas. Mas não fora isso que me chamou atenção. No protetor de tela, estava uma garota siliconada e com olhos azuis. Loira, claro.
- Beatrice, - Justin disse baixo, com a sua voz rouca desfigurada por um sentimento que eu não conhecia – eu esperava mais de você. Max te trai. Antes de descer eu tomei a liberdade de ver um pouco do celular. Achei que você era menos boba.  – disse ele, e eu juro que ser chamada de boba nunca doeu tanto.
 E então eu o vi sair do meu quarto cabisbaixo, com as mãos no bolso. Não sei como consegui chegar até a porta, mas cheguei. De lá, gritei:
 - Eu te odeio Bieber!
 E depois eu fui caindo, aos poucos, até me encontrar sentada no chão do meu quarto.
 - Eu te odeio Max. – disse baixo, e completei em um tom quase inaudível – Eu me odeio.
 Chorei um pouco – tudo bem, a quem estou querendo enganar? Eu quase inundei meu quarto – e depois apenas não senti absolutamente nada. É como se eu fosse uma rosquinha, com um furo no meio, com algo faltando. Deve ser isso que chamam de curtir a fossa.
 Tomei coragem e vi algumas das mensagens de Max. Depois de três – com três garotas diferentes, vale frisar – eu parei. Era suicídio.
 Em seguida – não sei bem quando – Justin apareceu no meu quarto.
 - Por que você ainda não foi embora? – perguntei em um fio de voz.
 - A neve.
 - O que tem a neve? – perguntei levantando mais o rosto, para olhar em seus olhos.
 - A tempestade aumentou. A neve travou a porta, eu não consigo abrir. As janelas lá de baixo também estão com neve. Estamos presos. Juntos. 
---
Correria, por causa da formatura. É daqui a pouco rs! 
- 6 comentários? 
Beijos, 
Audrey

12 comentários:

  1. Continuaaaaa, ta perfeito

    ResponderExcluir
  2. Divando u-u perfeição resume essa fic <3333 continua :)

    ResponderExcluir
  3. Ahh estou amando cada detalhe e estou louca para o próximo cap. por favor continua logo
    @luh18gatinha

    ResponderExcluir
  4. PERFEITOOOOOOOOOOOOOOOOO CONTINUA PELO BIEBER AMADO!

    ResponderExcluir
  5. nossa coitada rsrsrsrs eu pensei que era ela com ele na foto kkkkkkkk . que maravilha ficar trancado com JB numa casa sozinha aaiai CONTINUAAA

    ResponderExcluir
  6. qual é n vai mais postar??????????????????????? porra eu aqui querendo ler o resto e vc n posta :'(

    ResponderExcluir