4 de mai de 2014

Classic - 09


- O quê? - perguntei perplexa. - Isso é algum tipo de pegadinha ou algo assim?
- Não, não é uma pegadinha. - nós começamos a caminhar. - Eu deixo você ter o privilégio de sair comigo.
- Obrigada, mas eu dispenso.
- Não tem essa de dispensar, Hon. Eu te arrasto até aquele baile, mas você vai comigo.
- E se eu te disser que já tenho um par?
- Eu sei que você não tem. Jasmine me disse.
- O quê? Como assim? Isso é algum tipo de complô contra a minha pessoa? - nós cruzamos o corredor. - Desde quando vocês decidiram virar amigos?
Justin deu de ombros.
- Eu não sei, ela é uma boa garota.
- Uh, uma boa garota? - levantei a sombracelha. - Então chame ela pra sair.
- Isso é uma pitada de ciúmes. - Justin me cutucou com o cotovelo.
- Nem fodendo. - o encarei. - Eu só realmente não quero ir a esse baile idiota.
- É, mas você vai, e eu garanto que vai ser divertido. - nós nos sentamos.
- Você não pode simplesmente ir com outra pessoa? - indaguei.
- Não, não posso. - ele concluiu.
Então eu revirei os olhos.

Toc Toc.
- Quem é? - eu estava no sofá vendo algum seriado qualquer quando tocaram na porta. Jas ainda estava em aulas, então eu estava sozinha em casa.
Toc Toc.
- Urgh, será que é tão difícil de responder? - me levantei, indo em direção à porta.
Toc Toc.
Bufei irritada.
- Eu posso saber o que...
- Onde Jasmine está? - Luke apareceu em minha frente. Ele tinha um semblante sério, não estava querendo brincar.
- Está em aulas. - eu disse simples.
Ele adentrou no dormitório como se aquela fosse a casa dele.
- Ei! - protestei. - Você não pode ficar aqui. É proibido.
- Onde Jasmine está? - ele repetiu, procurando pelos quartos.
- Eu já disse que ela está em aulas. - eu me lancei em frente à porta do meu quarto, incapaz de deixá-lo entrar.
Ele me olhou furioso.
- Será que dá pra ir embora? - eu lhe perguntei, nossos olhares nivelando raiva.
- Eu não vou embora até você me deixar entrar aí.
- Você não vai entrar aqui, seu louco! - vociferei.
- Morg, você viu o que colocaram nas paredes do... Luke?! O que está acontecendo aqui? - Jasmine adentrou o dormitório e eu soltei toda a minha respiração.
- Onde você estava? - ele se virou para ela.
- Eu estava em aulas, mas o que... - ele não deixou que ela terminasse a frase. Luke puxou Jasmine pelo braço.
- Solta ela! - berrei.
- Não, Morg, está tudo bem, okay? Estou bem, só vou ter uma conversa com ele. - ela me encarou e eu sabia que não deveria deixar isso acontecer, mas ela estava me pedindo isso e o que eu podia fazer?
Eu suspirei quando ele a arrastou para fora do dormitório.
Soquei a primeira coisa que vi pela frente: a porta. Não me importei com a dor naquele momento, eu só estava furiosa. Quando se está com raiva, você não sente a dor, só sente a raiva. Então eu soquei novamente e só parei quando eu senti uma lágrima escorrendo pela minha bochecha. Eu chorei um pouquinho, mas eu sabia que eu precisava daquilo. Eu não estava com raiva apenas porque Jasmine havia obedecido Luke, eu estava com raiva de mim também, por eu ter sido uma fraca por um tempo na minha vida. Exatamente naquela época. Talvez a culpa não fosse exatamente minha, mas eu sempre a carregaria, como um fardo.
A questão é que eu não aguentava ver isso acontecer novamente, independente da intensidade que fosse. Mulheres não foram feitas pra obedecer os homens. Isso é ridículo. Eu odiava ver a forma que algumas garotas se submetiam a seus namorados. Exatamente como eu.
Exatamente como eu.
Eu chorei baixinho por algum tempo, eu só queria fazer isso: chorar. Sozinha. Eu e a minha respiração descompassada. Talvez fosse bom. Às vezes é bom chorar, dizem que lava a alma. Ah, quem dera se isso fosse realmente verdade. Quem dera se a cada lágrima derramada, a minha dor fosse embora. Mas ela não iria, não tão cedo.
Algum tempo depois, Jasmine voltou. Eu pude ouvir o sapato dela contra a mármore. Tentei limpar as lágrimas, para disfarçar, mas nada poderia disfarçar meus olhos vermelhos e minha cara de choro.
- Morg. - ela falou meu nome, da porta. Não me virei, então ela se aproximou mais um pouco. - Você tava chorando? - Jasmine se sentou ao meu lado, na cama.
Não respondi, ela sabia que eu estava.
- Não precisa chorar, eu estou bem. - Jasmine se deitou ao meu lado e eu me virei. Nós ficamos encarando o teto por um tempo. Silêncio.
- Eu só não quero que você sofra o mesmo que eu sofri. - dei de ombros.
- Isso não vai acontecer, eu sei o que estou fazendo. - ela declarou. - Além do mais, a sua situação foi bem diferente da minha, não é?!
- É, tem razão. Mas eu me preocupo com você. Eu só não quero que você se machuque. Tudo bem que o que eu passei foi bem pior, mas eu não quero ver a minha amiga sendo mandada por um homem.
- Eu te entendo. - ela me abraçou e encarou meu rosto. - Mas pode ficar tranquila, Morg. Eu estou bem.
Silêncio.
- O que é isso? - Jasmine se levantou.
- O quê? - minha voz era um fio.
- Sua mão. - só depois que ela falou eu pude sentir como a minha mão estava doendo. Estava ardendo, eu não sei, era como se queimasse por dentro. Não a minha mão, a minha mão também doía, mas o sentimento dentro de mim era mais forte.
- Não é nada.
- Como nada?
- Eu só soquei a porta, nada demais.
- Você tá maluca, Morgan? Vamos pra enfermaria agora! - ela se colocou de pé e me encarou.
- Não vou pra droga de enfermaria. - falei - Eu estou bem, Jas, pode relaxar.
Eu sabia que ela ficaria com essa ideia na cabeça enquanto eu não fizesse algo.
- Eu vou fazer um curativo, okay? -  a encarei. - É sério.
Ela suspirou.
- Você tem certeza de que está bem? - ela olhou de relance enquanto eu amarrava o esparadrapo em volta da minha mão.
- Sim, estou. - respondi. - Eu só ficaria melhor se você estivesse bem.
- O que acha de vermos um filme? - Jasmine mudou de assunto.
Assenti.
- Ok, mas você faz a pipoca. - ela piscou pra mim e sorriu.
Naquele momento, eu sabia, tudo havia voltado ao normal.
Programei algo como 2:00 minutos e então o microondas apitou. Eu peguei a pipoca e a coloquei em uma tigela. Depois achei algumas latinhas de refrigerante na geladeira e levei tudo para a sala.
Nós passamos o resto da noite assistindo filmes de terror. Eram os preferidos da Jasmine, enquanto eu  gostava mais dos filmes de ação.

- Eu sabia que você ia concordar em ir ao baile com Justin. - Jas falou durante o café da manhã. - Eu super apoio isso.
- O quê? - lhe lancei um olhar curioso. - Como você sabe sobre isso?
Ela deu de ombros.
- Eu não acredito que você anda conversando com Justin.
- Pode ficar tranquila, Hon. - Jas colocou as mãos para o alto. - Nós somos apenas amigos.
- Eu não estou preocupada com isso. - declarei.
- Uh-hum. - ela comprimiu os lábios. - Sei.
- Que seja. - revirei os olhos.
- Vamos? - ela se levantou.
- Não, não. As minhas aulas só começam mais tarde hoje.
- Tudo bem, então. - ela me deu um beijo na testa. - Até a hora do almoço.
- Até.
Eu esperei Jasmine sair e fui por outra direção.
Fiquei com um pouco de medo por não conseguir passar pela portaria, mas o segurança da faculdade estava dormindo.
Suspirei aliviada e atravessei a rua.
Era tudo muito movimentado, vários carros e pessoas também. Caminhei por algum tempo da manhã procurando por uma academia de kick boxing, até achar uma a algumas quadras da faculdade.
Não é que eu não quisesse que a Jasmine não soubesse, eu só não queria que ela se preocupasse. Ela nunca concordaria em me deixar voltar a treinar sabendo que eu estava com a mão ''machucada''. Nem doía tanto assim, então eu joguei o esparadrapo em uma lixeira e entrei na academia.
É, eu havia me matriculado numa academia de kick boxing.
Como nos velhos tempos.
Ou não.

***************************************************
Oi, lindas! Agradeço por serem tão pacientes comigo e tudo mais. É que eu tava descansando um pouco, sei lá, minha vida tá meio confusa. Enfim, obrigada por entenderem, eu amo muito vocês. Simplesmente amei os comentários do capítulo passado, amo quando vocês fazem um comentário interagindo com a fic, é demais!
Rai: Awww, obrigada, linda, que bom que você está gostando.
Nath: Obrigada, eu agradeço muito, adoro quando você comenta.
Justin D. : Kkkkkk aaah, obrigada, adorei que você está gostando. Obrigada por isso.
Jo: Claro. :)
Lu: Aaah, sério?! Obrigada, de verdade haha.
Ketlin: Huaheuhaeuah, aguenta mais um pouco aí, gatinha. Obrigada por comentar!
Lekka: Really? Meu Deus! Obrigada, sua linda, sério mesmo, eu nem vejo Classic como uma fic tão boa assim, mas se você está dizendo...Quem sou eu pra duvidar? Huuahuehauhah. Obrigada pelo carinho e me desculpa pela demora. :/
Vic: Obrigada hahah, ai, meu Deus, nem sou uaheuahe. Obrigada de novo, Vic, você é demais!


Divulgando: http://imaginebelieberdatay.blogspot.com.br/2014/04/life-sinopse-one-life-conta-historia-de.html

10 comentários:

  1. Awnnnn ameii o.cap.ta mt bom nossa fiquei com dó dela por ter lembrado do passado...mas tomara q o Justin ajude a Hon

    ResponderExcluir
  2. Muito bom o capitulo, tá perfeito continuaa rápido u.u

    Rapha ~*

    ResponderExcluir
  3. Eu sei q sou demais - joga cabelo - wg u.u to brincando. Você que é demais, eu amo as suas fics! Pode fazer uma pergunta? you axa q eu istou çendoh analdabetá? ceilá, eu não achuh. Continua amr, to amando.

    - Victoria Marques

    ResponderExcluir
  4. Ah cada capitulo melhor continua!!!!!?

    ResponderExcluir
  5. Nova aqui e ja amando sua fic. muito boa mesmo. Tipo ja estou morrendo de curiosidade em saber o que ouve com a Morg no passado Deus o.O uahsuashhaus... Continua <3 :)

    ResponderExcluir
  6. Nossa cara eu amo essa fic, menina do céu!!!
    Continua rapidinho por favorzinho!! Kkkkk
    beijos moreco :*

    ResponderExcluir