23 de fev de 2013

Never say never, bitch!



O que todos diriam depois que descobrissem? Será que pediriam desculpas? Iriam agir como babacas ou iriam ficar sem acreditar no que estavam vendo? Provavelmente todos iriam agir de um jeito diferente.

A garota ligou para uma antiga colega da escola. “Preciso de sua ajuda, pode me emprestar sua chácara?” Havia pedido. A colega concedeu esse pedido depois que a garota explicou o que realmente estava planejando. “Vai ser engraçado” disse ela.

E então ela resolveu fazer um churrasco, iria ser uma despedida, mas ninguém sabia ainda. Convidou alguns amigos e convidou também aqueles que sempre duvidaram dela e de seus sonhos. O lugar não era muito grande, porém bem aconchegante, era sempre legal estar lá. Havia uma pequena casa, algumas plantações de frutas e também piscina e uma enorme mesa de madeira. Levou as coisas para lá e preparou tudo para o dia seguinte. Um típico sábado de verão. Alguns amigos inclusive a colega que era dona da chácara iriam ajudá-la nas comidas.

Mas havia uma coisa, ou melhor, um quem. Esse quem era uma pessoa especial que ela conhecera há alguns meses, uma pessoa que nenhum dos amigos poderia imaginar. A garota se tornara fechada desde o fim do Ensino Médio. Ninguém sabia praticamente nada sobre sua vida, onde estava ou o que fazia. Mas aquele dia iria ser realmente ótimo. Com 19 anos recém completados, naquele dia ela iria surpreender a todos os amigos, os que duvidaram dela ou não. Quando convidara os amigos insistiu para que todos fossem, disse apenas que era importante e que havia uma surpresa para todos.
Como o planejado, ela dormiu na chácara. Junto com seu amigo misterioso. Era engraçado pensar assim, ela era a misteriosa e não ele.

Acordou mais cedo e deixou o garoto dormindo mais um pouco enquanto começava com os preparativos. Sara - sua colega e dona da chácara - chegou pouco depois para ajudar e trouxe dois amigos. Entre eles havia um que ela iria adorar ver sua reação depois das surpresas.

Prepararam tudo e cerca de dez da manhã se sentaram para conversar e esperar os outros convidados.

“Liz?” “Onde você está?” A garota ouviu o amigo chamar e era mais que óbvio que ele já havia acordado. Pediu licença aos amigos que a olhavam confusos um para os outros e saiu trocando um breve olhar cúmplice com Sara. “Meu amigo.” Explicou.

Todos ficaram curiosos, obviamente. Acompanharam ela com os olhos e como a porta que dava para a sala de entrada estava aberta, puderam vê-la sendo puxada. Um deles, Cam, havia notado que usava boné, e tinha algumas tatuagens. Não sabia quem era ele, mas tinha a impressão de que o conhecia de algum lugar. Logo percebeu que o tal amigo não era exatamente um amigo. Antes de desviar o olhar pôde ver que ele a beijava. Foi quando ele voltou a atenção para o que Sara e seu outro amigo, Luke, conversavam.

Alguns minutos depois, a garota voltou segurando a mão do seu amigo (ou não). Ele usava o boné agora com a aba para trás. E então eles reconheceram. Ficaram estáticos, a garota teve vontade de rir.

“Oi.” Jus cumprimentou. E então, todos começaram a [tentar] agir normalmente. Cam olhou para Liz e ela tinha um sorriso brincalhão no rosto. “Você deve ser Cam. Liz me falou sobre você.” Disse e após os cumprimentos, abraçou a menina por trás, pela cintura. Era visível que ambos sorriam felizes.

“Essa era a surpresa?” Cam perguntou com um olhar sarcástico.

“Parte dela. Mas o resto dela só irá descobrir quando todos estiverem presentes.” Disse ela sorrindo.

“Amor, vou para a piscina.” Jus sussurrou e beijou seu rosto, indo em direção a piscina para voltar minutos depois quando alguns outros convidados chegavam. Ele tinha achado divertido o plano da namorada. Sim, namorada. Ele a amava e estava feliz de que por alguns meses poderiam estar mais perto antes dele voltar a trabalhar.

Enquanto ele estava na piscina os outros continuavam a conversar.

“Há quanto tempo vocês estão juntos?” Luke perguntou.
“Alguns meses, conheci ele enquanto viajava para resolver as coisas da faculdade. Cam, você está muito quieto.”
“Você notou?” Ironizou. “Posso falar com você um minuto?” Perguntou e a menina assentiu. “Abre o jogo, Liz.”
“Porque não trouxe sua namorada?”
“Não interessa. O que esse cara está fazendo aqui?”
“Bem, ele veio conhecer minha família. Justo, não acha? Meus pais têm o direito de saber que a filha deles está feliz com a pessoa que a faz feliz. E não, antes que você e muitos falem, não é por dinheiro. Eu estou indo viajar com ele, e irei começar a estudar na UCLA. Pois é, eu consegui. O que todos ou pelo menos a maioria, como você, duvidavam. Acharam-me tão ingênua, mas e agora?”

Jus vira o exato momento em que sua garota saiu para conversar com aquele tal de Cam que ele conhecera há pouco. Ele tinha ideia do que estavam conversando, ela havia falado para ele que isso iria acontecer. Ele não queria ser ciumento, mas já começara a se sentir assim, ainda mais quando viu que os dois se abraçavam. Ele a abraçara.
‘O quê? Tire agora suas mãos da minha garota. ’ Pensou já sentindo sua raiva crescer. Novos convidados haviam chegado e ele resolveu ir até lá avisá-la. Ou era apenas para dizer ao cara que ela já tinha dono? ‘Tanto faz. ’ Pensou.
“Ei, amor.” Disse chamando a atenção dela que sorriu ao vê-lo. “Os seus outros amigos chegaram.” Quando ele falou Cam deu um pequeno risinho. Simplesmente porque percebera finalmente que ele não era tão babaca quando pensara e que realmente gostava de sua amiga. Jus estava com ciúmes.

[...]

Horas mais tarde, todos já sabiam de tudo. Alguns ficaram surpresos, outros nem tanto. Havia aqueles que acreditaram e botaram fé nela antes de tudo acontecer. Iriam ficar mais uma semana na casa dos pais dela e depois iriam passar um tempo viajando. Jus a convencera disso falando para todo mundo antes mesmo de falar com ela. Agora era tarde demais para ela recusar.

No momento atual, ela estava com o namorado do lado mais reservado na área da casa, um pequeno corredor, onde eles podiam ficar a sós por um tempo. Não havia muitos amigos na chácara, alguns já haviam ido embora. Mas de alguma forma ela pressentiu que aqueles que restaram lá, iriam aprontar algo com eles.

O casal se beijava ardentemente, mal se tocaram durante todo o dia e ambos estavam com saudades um do outro. Resolveram então aproveitar o pouco tempo que restava daquele dia. Ela segurava em seus braços nus enquanto a mão boba dele invadia sua blusa acariciando suas costas e barriga. Pararam um pouco para recuperar o ar, ele dava pequenos beijinhos no pescoço dela, causando cócegas, propositalmente, fazendo com que ela risse. Logo suas bocas estavam novamente coladas, assim como seus corpos, ambos sorriram durante o beijo. E não se importaram quando um pequeno coro de ‘X’ ecoou do outro lado. Uma foto. 
Pararam aos poucos de se beijarem e viraram um pouco envergonhados para os amigos que riam e tiravam sarro deles. “Arrumem um quarto!” Cam gritara.

E eles seguiram esse conselho assim que voltaram para a cidade naquele dia.

Fim.

(n/a: espero que gostem. Já fiz há um tempo e foi meio que um sonho que eu tive. Eu vou abrir vagas em março e dessa vez vou ser muito rígida nas regras, ou seja, vai ser mais difícil justamente por causa desse vexame que vocês estão dando. Vocês acham que é fácil, isso? Eu odeio falar sobre isso mas eu tô com essa merda de depressão, eu não tô sentindo vontade de fazer porra nenhuma. NADA. Mas eu quero fazer. E eu parei de escrever, sim, mas porque eu tô sem criatividade mas tô pensando em fazer algo baseado nisso que eu tô passando só para vocês terem ideia de como é. O que vai ser extremamente chato, porque não vai ter um Jus no meio. Agradeço muito a quem me dá apoio, sempre tem umas pessoas no meu ask me mandando ótimas mensagens. Eu aprecio isso. Desculpem por não estar escrevendo nada que preste. E desculpem pelo meu sumiço. É só que como eu disse, não tenho nem mais vontade de fazer nada. Ás vezes eu fico triste, querendo chorar e isso aconteceu três vezes, eu arrumei algo como distração. Funciona. Agora eu não vou mais falar da minha depressão. Essa fic já é meio velha e a Gio tava me enchendo o saco para eu postar ela. Aqui está.)


9 comentários:

  1. ally serio, amo seu blog, ñ desanime ok?, sei como se sente, mas não se deixe abalar ok? amo suas fics, amo seu blog, nunca esqueça disso ok?
    beijos da jujuba

    ResponderExcluir
  2. Oi, bom, essa estória foi perfeita e amei!
    Mas, não deixe a depressão "ganhar", eu sei como se sente, querer desistir de tudo, e chorar sem ao menos ter motivo. Eu quero chorar muitas vezes por algo que a pessoa falou, que nem ao menos foi a intenção dela, mas eu choro, sempre!
    Bom, foi isso que eu entendi, espero que esteja certa ;x
    Essas vagas é pre escritora?

    ResponderExcluir
  3. Tá muito bom vc tem talento para isso!!!!naum desanime naum lembrese que tem muita gente que ama seu blog...-

    ResponderExcluir
  4. gostei ;)
    às vezes me sinto assim também.. mas força, vai dar tudo certo c:

    ResponderExcluir
  5. Sério parece que já li isso,que sinistro,mas eu gostei demais,:) e vc vai consegui superar isso eu sei que vai :) Stay Strong :) i love u
    bye :) you're the best

    ResponderExcluir
  6. Ei amor, eu ja fui depressiva tambem. Nunca queria fazer nada. Nao queria comer, estudar, escrever... nada. Nao me pergunte como eu venci a depressao, apenas venci. Espero que voce vença. Estamos aqui por vc.

    ResponderExcluir
  7. O blog está uma merda, já houve um tempo que ele foi ótimo. Mas agora, .... Um lixo. Melhorem ele, senão leitoras perderam

    ResponderExcluir
  8. #LeitoraNova
    Não fica assim nn anima vai!!
    Vamos se animando ai!!!
    Comtinha logo, eu estou amandoooo, tipo muitooooooo!!
    Vo.tinua assim q der por favor!!,
    By: Lorena

    ResponderExcluir
  9. http://fcjustinbieberblog.blogspot.com.br/
    divulga??
    gente por favor leia e comente please..

    ResponderExcluir