13 de jan de 2015

Love is unpredictable - Capitulo quatro

Avisos no final :*

Meu corpo totalmente quebrado por conta da noite dormida completamente encolhida. Virei-me e bati o braço na barriga de alguém e logo um pequeno murmúrio de dor foi ouvido, vi Justin fazendo careta e esfregando o local.
- É agressiva sempre ou só quando eu estou por perto? – perguntou ele rindo. Levantei-me e fui ao banheiro escovar os dentes. Sai de lá e Justin ainda estava deitado na minha cama.
- Justin, obrigada pelo que fez por mim ontem à noite, mas isso não quer dizer que somos amigos nem nada assim. Foi um momento ruim, eu agradeço de verdade por ter me ajudado, mas eu não confio em você – ele levantou-se e ergueu as mãos em sinal de rendição
- Ei, calma ai. – ele riu fraco – Eu entendo que não confie em mim, mas não precisa ser grosseira. Eu só queria ter certeza de que ia ficar tudo bem – ele se levantou e foi em direção a porta
- Justin – chamei e ele se virou – Sinto muito, eu só...
- Tudo bem Cecília – ele sorriu fraco e saiu do quarto. Tomei um banho e depois desci até o quarto de Alby. Ele estava sentado lendo Sherlock Homes, mas parou assim que me viu, fechou o livro e bateu na cama para que eu me senta-se, sem hesitar o fiz. Ele passou seu braço em volta de meus ombros e bagunçou um pouco meu cabelo.
- Se sente melhor? – perguntou no tom que só Alby tinha, tranquilizador e brincalhão
- Sim, foi só... – me lembrei do sonho por um segundo, mas balancei a cabeça afastando pensamento – Um sonho bem ruim – ele sorriu e respirou fundo. Eu sabia o quanto podia confiar em Alby, ele era meu melhor amigo.
- Ta. Então que tal uma partida de basquete hoje? – ri fraco
- Você sabe como me animar cara – ele riu e se levantou animado
- Então vamos tomar um café da manhã legal e depois vamos jogar – me levantei e nós fomos para o refeitório. Alby se sentou comigo e ficamos conversando.
- Quer dizer que o Bieber dormiu com você? – perguntou ele rindo fraco
- Sim , mas não rolou nada, nem deveria – ele riu de maneira sarcástica – Cala a boca Albert – ele gargalhou
- Tudo bem Sargento Bieber – lhe dei um soco no braço rindo. Continuamos conversando coisas aleatórias e desconexas até irmos para o ginásio. Separamos os times e como sempre eu e Alby estávamos no mesmo time, a novidade era que Justin iria jogar contra nós. Eu nem sabia que ele jogava alguma coisa, sempre achei que ele lutava ou corria, pra manter o corpo, mas isso não interessava naquele momento. Me posicionei no meio do campo e Rick estava lá como sempre. Sorriu desafiador para mim e eu lhe mostrei o dedo do meio rindo. Duncan jogou a bola para cima e quando ela começou a cair novamente eu pulei a pegando e dando inicio ao jogo, passei a bola para Alby que saiu em disparada pela lateral esquerda da quadra, corri e ele passou a bola para Ron e depois de alguns passos Ron passou para mim, dei mais um passo e lancei a bola que acertou a cesta em cheio. Comemoramos e percebi Justin sorrir pegando a bola. Ele seguiu pela quadra e passando a bola para outros jogadores que logo trataram de jogá-la de volta para Justin que começou a andar de costas pela quadra. Da marca de três pontos ele lançou a bola para trás sem nem olhar a cesta e a acertou. O queixo de todos foi ao chão e Alby me olhou sibilando “Ninguém nunca fez isso além de você” eu ri e gritei para Brad pegar a bola. Ele fez isso ainda pasmo e a lançou para mim, me virei e dei de cara com Justin que tentou roubar a bola de mim, mas falhou.
- Aquela jogada foi boa Bieber – ele sorriu vitorioso
- Obrigado Copperfield – tentou novamente, mas eu fingi que ia desviar pela esquerda, mas acabei indo pela direita rindo. Passei a bola para Lucy e ela correu alguns passos jogando de volta para mim, corri e saltei enterrando a bola na cesta, dando impulso e me sentando na cesta. Todos vibraram e riram, pulei da cesta e corri para o perto de Justin que tinha a bola nas mãos, roubei a bola dele e a passei para Alby que a lançou da marca de três pontos e fez a cesta. Um cara que eu não lembrava o nome pegou a bola e a passou. Rick pegou a bola e correu por toda a quadra e fez a cesta. Lucy pegou a bola e piscou para mim, sorri assentindo do meio da quadra e ela mandou a bola para mim, assim que ela bateu em minha mão eu reuni toda a força que consegui e bati nela. Ela bateu no chão e foi em direção a cesta, fez o contorno do aro e caiu dentro da cesta. Sorri de canto para Justin e ele bateu palmas. Ia começar correr quando ouvi Rony gritar meu nome na entrada do ginásio. Segui até ela dizendo que ia fazer uma pausa, ela tinha uma expressão estranha no rosto.
- Duds disse que tem alguém esperando você na sala dela – a encarei confusa – Eu o vi chegando, era todo engomadinho e grisalho, chegaram em uma lamborghini aventador preta. – arregalei os olhos por conta do carro do cara, e pensei em alguém, mas ninguém surgiu a minha mente.
- Valeu Rony – sai correndo para a sala de Duds, cheguei a porta e torci o cabelo o prendendo melhor em um coque mal feito. Respirei fundo e abri a porta. – Mandou me chamar Duds – os homens na sala me encararam e quase cai pra trás ao ver um deles. Minhas pernas bambearam e eu comecei a tremer, mas a raiva era maior que qualquer outra coisa que eu poderia sentir. Fechei as mão em punho e trinquei o maxilar.
- Precisamos conversar – O outro homem, que era o que Rony tinha visto, disse. E o reconheci como o advogado da minha mãe, Anthoni se não estava enganada. Duds se dirigiu a mim e encostou em meu ombro saindo da sala fechando a porta. O advogado se aproximou de mim, mas eu ainda estava muito perplexa com a presença do outro homem.
- Anthoni, certo? Advogado da minha mãe – estendi a mão conseguindo me concentrar no advogado.
- Exato Cecíia – ele sorriu amigavelmente, o outro homem apenas me encarava, com o rosto fechado, enquanto o garoto, que eu reconheci sendo Marcos, meu meio irmão que era um pouco mais velho que eu sorria como quem acaba de ver algo que lhe interessa. – Sente-se, por favor – neguei com a cabeça
- Me diga primeiro o que ele faz aqui – apontei para o homem do outra lado da sala.
- Cecília, você está quase fazendo dezoito anos, está na hora de ler o testamento da sua mãe – Anthoni respondeu
- E ele está aqui por quê? Pra pegar o dinheiro dela? Era tudo que interessava para ele mesmo – disse alto e senti os olhos queimarem, mas não ia deixar nenhuma lagrima sair de meus olhos – Esse cara me dá nojo – minha expressão era de desgosto e ele pela primeira vez esboçou algum tipo de emoção: raiva
- Mais respeito comigo garota – ele disse alto se aproximando furioso
- Ou o que? – perguntei batendo de frente com ele – Vai me bater assim como fazia com a minha mãe? – ri irônica e ele por um instante sua confiança pareceu se esvair e depois voltar, ele ergueu a mão aberta, mas Marcos segurou-o o afastou de mim.
- Garota insolente, tenha mais respeito comigo eu sou seu pai – a menção daquela palavra fez meu estomago revirar.
- Você não é meu pai, seu velho covarde e desgraçado – gritei – Vamos solte ele Marcos, quero ver se esse covarde é capaz de me bater agora – ri e John (meu pai) bufou furioso. Ele se soltou, mas não partiu para cima de mim, apenas arrumou a camisa e se sentou na cadeira de Duds. Queria socar a cara dele, mas cabei não fazendo isso. Me sentei junto a Anthoni e respirei fundo algumas vezes.
- Hum... Ele precisa estar aqui por que é citado no testamento – Anthoni respondeu ainda pasmo pela cena que havia presenciado.
- Como é que é?! – a pergunta saiu quase como um grito. Coloquei as mãos no rosto e bufei. Isso não pode ser. – Leia logo essa droga de testamento, tenho um jogo de basquete pra terminar – disse simples e o advogado tirou um envelope pardo da pasta de couro preta, abriu-o e encarou o papel, depois a mim. Sorriu levemente.
- Eu Esperanza Copperfield, deixo para minha filha, Cecília Copperfield Parker, todos os meus bens. Meu advogado, Anthoni Lewis, estará responsável por cuidar de todos eles até que Cecília complete dezoito anos de idade. Deixo a ela além de todos os meus bens materiais, todo meu amor incondicional. Para John Parker, deixo a casa nas Bahamas, pois a mesma foi comprada em nossa boa época, e não quero que Cecília divida com ele absolutamente nada. Deixo também para John o desejo de bons dias na vida dele, e o amor que um dia existiu entre nós, mas peço que não se meta na vida de Cecília, Nunca. E tenho uma última coisa para dizer a Cecília: Eu sempre estarei aqui em seus dias de tempestade Cecí. – o advogado se calou. Pisquei os olhos um zilhão de vezes para que as lagrimas não saíssem de meus olhos. John parecia furioso.
- Ela não pode ter feito isso – gritou ele batendo na mesa
- Ela te deu essa tal casa nas Bahamas e você ainda reclama? – perguntei indignada
- Isso é muito pouco perto de tudo que ela tinha – encarei Anthoni confusa. Eu não sabia de nenhum outro bem além da nossa casa na minha cidade natal.
- Cecília sente-se um pouco, preciso lhe contar algo – ele bateu ao seu lado no sofá
[...] Depois de mais trinta minutos de conversa com o advogado ele se foi e eu corri até o ginásio procurando Alby. O encontrei conversando com alguns caras e o puxei para longe. Ele parecia confuso, mas mesmo assim seguiu andando. Chegamos ao lado de fora do ginásio e parei olhando em volta.
- O que foi Cecília? O que aconteceu na sala da Duds? – o encarei e comecei a rir como uma idiota.
- O advogado da minha mãe veio me visitar – disse andando de um lado para o outro – Junto com John – ele arregalou os olhos
- John? John Parker? Seu... – ele parou. Assenti – Qual o problema dele? O que ele queria? – parei por um segundo e depois voltei a andar de um lado para o outro.
- O advogado veio ler o testamento da minha mãe – amarrei o cabelo que havia se soltado.
- Não me diga que ele ficou com tudo que era dela – neguei com a cabeça ainda andando de um lado para o outro – Para de andar de um lado para o outro garota, ta me deixando tonto – eu faria alguma piadinha com isso se não estivesse tão pasma. Parei e cruzei os braços – Fala logo caramba – disse alto
- A partir do dia quinze do próximo mês, eu vou me tornar uma garota de dezoito anos milionária.

------------------------------------------------------x-------------------------------------------------------

E ai galerinha, tudo bem? 
Venho pedir um zilhão de desculpas por não ter postado, mas tive uma viagem urgente para fazer, fui pra MG ver meu avô que está meio doente. Por isso por favorzão, me desculpem. 
Como estão sendo as férias de vocês? Viajando muito? Passeando muito? Assistindo muitos filmes e séries? Curtindo muito? Passaram de ano na escola? Eu passei e to muito feliz, por que esse ano eu vou cursar o último ano do ensino médio. Ano que vem se Deus quiser a faculdade me aguarda.
Contem-me sobre vocês, sobre suas férias, suas vidas.
Falando nisso... MERRY CHRISTMAS AND HAPPY NEW YEAR (Ta meio atrasado, mas o que vale é a intenção) Que 2015 seja repleto de coisas maravilhosas para todas nós, que seja um ano cheio de conquistas e cheio ensaios novos do Justin para a Calvin Klein, por que pelo amor de Deus, to jogada pelo resto da vida com aquele ensaio.

Sobre o grupo que eu falei que ia criar, só uma leitora me mandou o número dela e foi a Graziela, porém ela não me respondeu no whatsapp. Caso alguém tenha comentado no post anterior e eu não tenha visto, eu sinto muitíssimo, mas os comentários de alguns post foram excluídos misteriosamente. Por isso peço que me mandem o número de vocês de novo. Ou então me chamem no whats: (11) 95389-1148
   

Bom é isso gente, comentem aqui, me chamem no whats, deem suas opiniões 


Live long and Prosper
Beijos da Ké

Um comentário:

  1. Leitora nova :)
    Awwwn amando, feliz ano novo e feliz natal atrasado he :)
    Passei de série também, :*
    Coontinua esta perfeita, please.
    Me chama no whats ? 021 97400-1314

    ResponderExcluir